5 motivos para ler "As Brumas de Avalon"

julho 09, 2018


As Brumas de Avalon, escrita pela Marion Zimmer Bradley, foi publicado em 1983, e reconta a lenda do Rei Arthur pela perspectiva das mulheres do reino. Em 1984 ganhou o prêmio Locus de Melhor Romance de Fantasia, e até hoje é uma história relevante por tratar de temas atuais, mesmo sendo escrito há anos.
A história é dividida em 4 volumes, A Senhora da Magia, A Grande Rainha, O Gamo-Rei, O Prisioneiro da Árvore. Essa edição da foto foi publicado pela editora Imago, porém recentemente ganhou uma nova edição da editora Planeta que juntou os 4 livros em um único volume de capa dura.

Listei abaixo 5 motivos para você ler As Brumas de Avalon:

1)    Contexto religioso fortíssimo.

A história basicamente gira em torno do povo de Avalon, com seus costumes pagões preservados e o povo cristão, dos tempos dos padres, da corte do Rei Arthur que tenta a todo custo dizimar Avalon, que consideram os pagões como sendo feiticeiros que propagam o mal.
O que é muito forte também é a hipocrisia religiosa que giram em torno da personagem Guinevere, esposa do Rei Arthur. Ao mesmo tempo que ela abomina a cultura pagã de Avalon, ela tem atitudes que não condizem com a cultura cristã, que tanto prega.

“Os cristãos procuraram acabar com toda a sabedoria que não fosse a sua, e na luta para conseguir isso, estão banindo do mundo todas as formas de mistério, exceto as que harmonizam com a sua fé religiosa. Consideraram heresia pensar que os homens têm mais de uma vida, o que qualquer camponês sabe ser verdade."

2)    As mulheres por trás do reino.

    A lenda do Rei Arthur todo mundo já conhece, desnecessário então pontuar ela nessa história. O que se passa em As Brumas de Avalon é o que acontece dentro do reino de Arthur, entre as mulheres e como elas tiveram um papel importante para que Arthur fosse o rei tão famoso. Entre elas, Morgana, irmã de Arthur, sacerdotisa de Avalon que mantém vivo os costumes pagões, age apenas em favor do seu destino como sacerdotisa, passando por cima de regras do reino. Tem uma forte relação com Merlin da Bretanha, e juntos eles tramam para que os costumes de Avalon não sejam extintos.

3)  Romances.

A história tem uma boa parcela de romance. O principal é o enlace entre Lancelot, Guinevere, Arthur e Morgana. Esses quatros protagonizam cenas em torno do seu interesse romântico, tomando até atitudes vingativas uns contra os outros. Até certo ponto da história você se pergunta qual sentimento ali é saudável e qual está sendo doentio?

4)    Manipulações.

Somos apresentados a maquinações desde antes de Arthur sequer nascer. Toda ação na história tem um porque e uma forma de manipulação exercida, a maioria pelo povo de Avalon que quer manter viva a tradição de seu povo. Mas vemos também os conspiradores do convívio de Arthur, que quer a todo custo tirar esse poder de Avalon sobre o rei.
Além de manipulações na questão religiosa, temos também na guerra e nos romances. Tudo ali é feito com o propósito de que os fins justificam os meios, passando por cima até de pessoas próximas para atingir seus objetivos.

5)    Guerras.

Além de mostrar o ponto de vista das mulheres do reino, também temos a parte das guerras. Obviamente não são relatadas as cenas de lutas, mas ficamos sabendo sobre elas antes e depois que aconteceram, quando Arthur se reúne na távola redonda com seus cavaleiros para discutir assuntos do reino.


• EXTRA:

Como motivo extra, trago a indicação do filme inspirado na obra. Protagonizado por Julianna Margulis, Joan Allen e Anjelica Huston o filme tem duração de 3 horas e foi lançado em 2001. Vale ressaltar que se trata de uma adaptação, por isso não conta a história verdadeira dos livros. No filme, por exemplo, o Rei Arthur não é tão facilmente chantageado emocionalmente pela Rainha Guinevere.
O filme foi exibido em formato de minissérie pelo canal TNT, mas ele é encontrado em formato completo na internet.






Nome Original: The Mists Of Avalon
Autora: Marion Zammer Bradley
Ano de lançamento: 1983
Páginas: 924 (na edição da Imago)






Você também vai amar:

0 comentários

Subscribe